Corrupção, uma prática vergonhosa

Em recente entrevista à Revista Veja, Jarbas Vasconcelos, senador da república pelo Estado de Pernambuco, abriu a tampa do fosso e revelou a deslavada corrupção que atinge a classe política brasileira. Ficamos com o rosto rubro de vergonha diante dessa desavergonhada imoralidade. A corrupção está presente no Palácio, no congresso, na câmara de deputados, em várias prefeituras e também em muitas câmaras de vereadores. Estamos estarrecidos com essa abominável prática que se torna endêmica e sistêmica em nosso país. Políticas populistas mantêm o povo na miséria e os políticos corruptos no poleiro do poder. Sendo o Brasil um dos países com maior carga tributária do mundo, vemos com tristeza, as verbas que deveriam ser destinadas a mudar a realidade social da nação sendo desviadas para as contas bancárias de políticos inescrupulosos e seus asseclas.

A corrupção não é uma coisa nova. Ela só está presente na sociedade porque antes está no coração do homem. Ela não procede de fora, mas de dentro do próprio homem. Ela não vem das estruturas sociais nem das ideologias políticas; ela vem do corrupto coração humano.

Não podemos nos conformar com a corrupção. Ela deve ser denunciada, combatida e rejeitada com toda veemência. Encontramos várias evidências de corrupção nas Escrituras. As autoridades judaicas subornaram os soldados romanos para que estes espalhassem uma mentira em Jerusalém, dizendo que os discípulos de Jesus haviam roubado o seu corpo. No Reino Medo-Persa, o rei Dario tomou medidas preventivas para evitar que o erário público fosse desviado por administradores desonestos. Constituiu três governadores e cento e vinte sátrapas ou prefeitos. Desses, apenas Daniel não se corrompeu e por isso, seus pares maquinaram um plano vil para matá-lo. Os profetas de Deus denunciaram a atitude dos ricos gananciosos, que se mancomunavam com os juízes para surrupiar o direito dos pobres e torcer a justiça, negando aos necessitados seus legítimos direitos.

A corrupção é um grande mal que deve ser combatido por três razões:

1. A corrupção é uma conspiração contra Deus – Deus é justo e não tolera nenhuma forma de injustiça. Deus abomina a balança falsa e a medida enganosa. Deus reprova aqueles que se enriquecem ilicitamente e os que aumentam suas riquezas usando a violência e a desonestidade. A lei de Deus proíbe a conspiração contra a sacralidade da vida e contra o direito de propriedade. O furto, portanto, é uma conspiração contra a lei de Deus.

2. A corrupção é uma conspiração contra o próximo – A corrupção não é uma atitude neutra. Quando um político desvia verbas públicas, ele está roubando de todos nós. O dinheiro público deve ser administrado com responsabilidade e probidade para o benefício de toda a sociedade e não apenas para o deleite de uma minoria privilegiada. Quantas pessoas morrem por falta de hospitais, remédios e atendimento adequado porque o dinheiro que deveria construir e manter essas instituições de saúde cai no ralo da corrupção! Quantos jovens à margem das oportunidades porque não tiveram acesso à educação e por isso foram condenados a viveram com subempregos, porque o dinheiro que deveria ter sido investido na educação foi desviado para as contas insaciáveis de indivíduos inescrupulosos nos paraísos fiscais!

3. A corrupção é uma conspiração contra si mesmo – O maior patrimônio de uma pessoa é o seu próprio nome. Mais vale o bom nome do que a riqueza. A corrupção é uma nódoa que macula o nome do indivíduo, destrói sua reputação e joga num charco de lama sua memória. Há muitos que granjeiam grandes riquezas pelo expediente da corrupção, mas perdem sua dignidade e o respeito da sociedade. Vivem cobertos de opróbrio e cercados de ignomínia. A desonestidade é um pecado cometido contra Deus, contra o próximo e contra si mesmo. Devemos reprovar essa prática com todas as veras da nossa alma. Só se constrói uma grande nação com trabalho, justiça e honestidade. A obediência à lei é o alicerce de uma sociedade justa e próspera.

Rev. Hernandes Dias Lopes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *