O testemunho de um grande livramento

“Pois livraste da morte a minha alma, das lágrimas os meus olhos e da queda os meus pés” (Sl 116.8). O Salmo 116 é atribuído, por alguns eruditos, ao rei […]

“Pois livraste da morte a minha alma, das lágrimas os meus olhos e da queda os meus pés” (Sl 116.8).

O Salmo 116 é atribuído, por alguns eruditos, ao rei Ezequias, rei de Judá. Esse homem piedoso enfrentou dois graves problemas na vida. Foi atacado pelo poderoso império assírio e foi atingido por uma enfermidade mortal. De ambos os problemas, Deus o livrou. Deus dispersou o exército inimigo e curou-o da enfermidade mortal. Então, no texto em apreço, ele registra sua experiência.

1. Um homem encurralado por circunstâncias medonhas (Sl 116.3). Ezequias enfrenta dois problemas gravíssimos, um externo e outro interno. Ele diz que laços de morte o cercaram. Laços são armadilhas. Essas armadilhas eram invisíveis e mortais. Ele estava encurralado por armadilhas cujo propósito eram levá-lo à morte. Tanto o ataque assírio como a enfermidade severa mostravam-lhe a carranca da morte. Como resultado dessas circunstâncias carrancudas, angústias do inferno se apoderaram dele. O inferno instalou-se em seu peito e uma dor pungente passou a açoitar o seu coração. O resultado é que ele caiu em tribulação e tristeza. Foi esmagado debaixo de um rolo compressor e a alegria fugiu de sua face.

2. Um homem que clama a Deus do fundo do poço (Sl 116.4). Quando as circunstâncias da vida são medonhas e nos empurram para os abismos da angústia, a única direção a olhar é para cima. Foi o que Ezequias fez. Ele clamou ao Senhor. Ele gritou por socorro. Ele pediu livramento. Há momentos na vida que os recursos humanos se esgotam, que o socorro da terra é insuficiente, que as portas de livramento se fecham. Nessas horas, precisamos olhar para cima, para o alto, para Deus.

3. Um homem que conhece o caráter e a intervenção de Deus (Sl 116.5-7). Quando Ezequias clamou ao Senhor descobriu algumas verdades sublimes que trouxeram luz nas suas trevas. Primeiro, ele descobriu o caráter de Deus. Ele é justo e misericordioso. Justo para não deixar o inimigo prevalecer com truculência sobre nós e misericordioso para nos amparar em nossas fraquezas. É no caráter de Deus que encontramos refúgio seguro para a nossa alma e abrigo certo no temporal. Segundo, ele descobriu que mesmo quando estamos nocauteados pelas crises da vida, ainda assim Deus pode nos por de pé novamente. Ele estava prostrado e o Senhor o salvou. Terceiro, ele descobriu a necessidade de apropriar-se da obra de Deus. Ele se coloca diante do espelho e num solilóquio profundo, exorta a sua alma a voltar ao seu sossego, em virtude do que Deus já havia feito por ele. Não é razoável ficarmos desassossegados mesmo depois do livramento divino. Não basta clamar a Deus; é preciso tomar posse do livramento divino.

4. Um homem que experimenta um poderoso livramento divino (Sl 116.8). Ezequias recebe um tríplice livramento de Deus. Primeiro, o livramento espiritual. Deus livrou sua alma da morte. Ele estava num calabouço escuro e para ele raiou a luz. Ele estava preso com grossas correntes, e para ele sorriu a liberdade. Ele estava atormentado pelos seus pecados, e para ele brotou torrentes de perdão. Segundo, o livramento emocional. Deus livrou seus olhos das lágrimas. O choro, muitas vezes, é a confissão de impotência diante dos dramas da vida. Somos golpeados duramente por fatos e sentimentos e todo o nosso ser reage a essas trovoadas com chuvas de lágrimas. Terceiro, o livramento moral. Deus livrou seus pés da queda. Ah, como somos fracos! Como somos vulneráveis! Ou Deus nos segura pela mão, ou perecemos!

5. Um homem que assume solenes compromissos com Deus (Sl 116.1,2,9). Depois desse poderoso livramento, Ezequias assume três compromissos com Deus. Primeiro, ele assume o compromisso de amar a Deus. Houve um reavivamento de amor a Deus em seu coração. Segundo, ele assume o compromisso de buscar a face de Deus enquanto viver. O Deus que nos socorre na aflição deve ser também o deleite do nosso coração nos tempos de bonança. Terceiro, ele assume o compromisso de andar na presença de Deus na terra dos viventes, ou seja, no mais hostil dos ambientes. Qual é o seu testemunho? O que Deus já fez em sua vida? Que tributo de gratidão, você trará hoje à presença de Deus?

Rev. Hernandes Dias Lopes

Sobre Administrador