Pais convertidos aos filhos

“Ele converterá o coração dos pais aos filhos e o coração dos filhos aos pais, para que eu não venha e fira a terra com maldição” (Ml 4.6). O Antigo […]

“Ele converterá o coração dos pais aos filhos e o coração dos filhos aos pais, para que eu não venha e fira a terra com maldição” (Ml 4.6).

O Antigo Testamento encerra sua mensagem com esta promessa de que o precursor do Messias viria ao mundo e converteria o coração dos pais aos filhos e o coração dos filhos aos pais. O pecado abriu um abismo na relação entre pais e filhos. Há pais que desprezam os filhos e filhos que desonram os pais. Há pais que esmagam os filhos e filhos que maltratam os pais. Há pais que abandonam os filhos e filhos que rejeitam os pais. Há pais que superprotegem os filhos e filhos que chantageiam os pais. Cresce a cada dia o conflito de gerações. A parede que separa os pais dos filhos torna-se cada vez mais alta. Nesse cenário de conflito familiar é imperativo que o coração dos pais seja convertido aos filhos. Como os pais podem ter seu coração convertido aos filhos?

1. Quando os pais entendem que seus filhos são herança de Deus. Nossos filhos são o nosso maior tesouro, a nossa verdadeira riqueza, a nossa mais preciosa herança. Os filhos são presentes de Deus aos pais. São confiados aos pais para serem criados na disciplina e admoestação do Senhor. Os nossos filhos devem ser mais filhos de Deus do que nossos filhos. Como mordomos de Deus devemos cuidar deles para que sejam vasos de honra nas mãos do Senhor. Devemos prepará-los para a vida e não para viverem em nossa constante dependência. Devemos inculcar neles as verdades de Deus para que aprendam amar ao Senhor de todo o coração.

2. Quando os pais encontram tempo para orar pelos filhos. Somos uma geração ocupada demais para orar. Estamos o tempo todo lutando pelo bem dos nossos filhos, dando-lhes o melhor abrigo, as melhores roupas, as melhores escolas, as melhores oportunidades, mas descuidamos de orar por eles. Preparamo-los para o sucesso, mas investimos pouco para que conheçam a Deus. Investimos na vida profissional dos nossos filhos e muito pouco na vida espiritual. Falamos muito de Deus para os nossos filhos, mas muito pouco deles para Deus. Lutamos para ver nossos filhos crescendo na vida, mas labutamos pouco para vê-los crescendo no conhecimento e na graça de Cristo. Orar pelos filhos é o nosso maior trabalho, o nosso melhor investimento, a maneira mais sábia de otimizarmos o nosso tempo.

3. Quando os pais não desistem de ver seus filhos salvos. Os pais não devem descansar até ver seus filhos salvos. Nossos filhos não são naturalmente filhos de Deus. Mesmo aqueles que nascem debaixo da aliança, precisam nascer de novo. Mesmo aqueles criados na igreja, precisam ter uma experiência pessoal com Cristo. Não basta aos nossos filhos frequentar a igreja desde o berço, eles precisam ser regenerados pelo Espírito. Não basta a eles estarem cheios de religiosidade, precisam estar cheios do Espírito Santo.

4. Quando os pais estão comprometidos em ensinar seus filhos no caminho em que devem andar. Os pais não devem ensinar o caminho que os filhos querem andar nem o caminho que devem andar. Os pais devem ensinar os filhos no caminho em que devem andar. Ensinar no caminho é ser exemplo. É servir de modelo para os filhos. Nossas ações gritam mais alto do que nossas palavras. Somos como espelho para os nossos filhos. Pais convertidos aos filhos não os provocam à ira nem trata-os com amargura, para que não fiquem desanimados, mas criam-nos na disciplina e na admoestação do Senhor. Pais convertidos aos filhos não encobrem a eles o legado que receberam. Pelo contrário, conta à vindoura geração os louvores do Senhor, e o seu poder, e as maravilhas que fez. Pais convertidos aos filhos lutam para que eles coloquem em Deus a sua confiança sem jamais se esquecerem dos feitos de Deus. Que Deus nos ajude a cumprir, com fidelidade, nossa honrosa missão e que o nosso coração seja convertido ao coração dos nossos filhos!

Rev. Hernandes Dias Lopes