Igreja Presbiteriana do Brasil: 153 anos

No século XVI houve uma tentativa de implantação do Presbiterianismo no Brasil, através dos franceses que aqui chegaram em 1557. A Ceia do Senhor, segundo o rito bíblico calvinista, foi celebrada pela primeira vez, na America do Sul, no dia 21 de março de 1557, no Rio de Janeiro. Os franceses, no entanto, foram expulsos do Brasil em 1567. Duas outras tentativas foram feitas através dos holandeses, em 1624 e em 1630. Em 1654 os holandeses foram expulsos do Brasil e as comunidades presbiterianas que eles haviam implantado no nordeste desapareceram. A implantação definitiva do Presbiterianismo, no Brasil, se deu por meio do trabalho de missionários, que vieram especialmente para evangelizar brasileiros. Foi o Rev. Ashbel Green Simonton, que chegou ao Brasil, no Rio de Janeiro, no dia 12 de Agosto de 1859. Tinha apenas 26 anos de idade. Seu ministério durou só 8 anos, pois Simonton faleceu em São Paulo, no dia 8 de dezembro de 1867. Assim nasceu a Igreja Presbiteriana, que hoje completa 153 anos. Nossa denominação teve um nascimento muito abençoado, em meio a muitas lutas, porém a todas venceu, pois seu fundamento é Jesus Cristo, o Senhor da Igreja, e têm experimentado um crescimento saudável. O que tem sustentado o presbiterianismo durante tantos séculos é o seu firme fundamento doutrinário. São os seus princípios, consolidados através das experiências vívidas ao longo dos tempos. Doutrina é o fundamento de um sistema. É o alicerce sobre o qual se levanta o edifício. É a parte sólida, resistente, do fundamento. Na doutrina estão reunidos os princípios a serem transmitidos, porque eles contém a parte a ser praticada na vida. A Igreja Presbiteriana está firmada na rocha que é Cristo, e aplica corretamente os ensinamentos bíblicos, e isto faz uma grande diferença na sociedade onde ela está inserida. Ao completarmos 153 anos deveremos refletir seriamente sobre o papel e o lugar da Igreja no mundo contemporâneo, na sociedade complexa e confusa que vivemos para a qual podemos dar uma contribuição inestimável com os valores do evangelho. O passado foi glorioso através do dinamismo e o zelo daqueles que se deram nesta caminhada. Nossos fundadores deram prioridade máxima a evangelização e a plantação das Igrejas, mas isso não os impediu de atuarem em outras áreas importantes para a cosmovisão reformada, razão porque chegamos até aqui. Temos que considerar o trabalho valioso e abençoado de presbiterianos e presbiterianas, em todas as idades, que têm dado à Igreja e ao Reino de Deus, nos dias atuais, o melhor da sua inteligência, dos seus esforços e do seu talento. Esperamos que além de preservarmos e celebrarmos as conquistas do passado e do presente busquemos maneiras de tornar ainda mais eficiente o nosso trabalho, mais vivo o nosso testemunho, mais enfática a nossa atuação nas diferentes esferas em que somos chamados a servir a Cristo em nossa geração.

Presbítero Haroldo Peyneau

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.