OS ATRIBUTOS QUE DEVEM ORNAR A VIDA DO DIÁCONO (1Tm 3.8-10,12,13)

Depois de elencar as virtudes que devem ornar a vida do presbítero, Paulo passa a falar dos atributos do diácono.  Este é o servo que coopera com aqueles que se dedicam à oração e ao ministério da Palavra. Os primeiros diáconos foram  nomeados assistentes dos apóstolos. Há dois ministérios na igreja: a diaconia das mesas (At 6.2,3) e a diaconia da palavra  (At 6.4); a ação social e a pregação do evangelho. O ministério das mesas não substitui o ministério da palavra, nem o  ministério da palavra dispensa o ministério das mesas. Nenhum dos dois ministérios é superior ao outro. Ambos são  ministérios cristãos que exigem pessoas espirituais, cheias do Espírito Santo, para exercê-los. A única diferença está na  forma que cada ministério assume, exigindo dons e chamados diferentes. Quais são as qualificações do diácono?  

  1. Os diáconos devem ser respeitáveis (1Tm 3.8a). “Semelhantemente, quanto a diáconos, é necessário que sejam  respeitáveis…”. O diácono precisa ser um homem digno de respeito, de caráter impoluto, de vida irrepreensível, de  conduta ilibada. A sua vida é a base de sua liderança. Seu testemunho é o alicerce de seu trabalho. 
  2. Os diáconos devem ser homens de uma só palavra (1Tm 3.8b). “… de uma só palavra…”. O diácono precisa ser  um homem verdadeiro, íntegro em suas palavras e consistente em sua vida. Não é um boateiro, dado a mexericos. Não diz  uma coisa aqui e outra acolá. Não é maledicente nem joga uma pessoa contra a outra. Tem peso em suas palavras. É  absolutamente confiável no que diz. 
  3. Os diáconos não podem ser homens inclinados a muito vinho (1Tm 3.8c). “… não inclinados a muito vinho…”.  O diácono deve ser cheio do Espírito (At 6.3) e não cheio de vinho (Ef 5.18). Quem é governado pelo álcool não pode  administrar a casa de Deus. A sobriedade deve ser o apanágio de um líder. 
  4. Os diáconos não devem ser homens cobiçosos de sórdida ganância (1Tm 3.8d). “… não cobiçosos de sórdida  ganância”. O diácono lida com as ofertas do povo de Deus e administra os recursos financeiros da igreja na assistência aos  necessitados. Não pode ser um Judas Iscariotes que rouba a bolsa. Não pode cobiçar o que deve repartir. Não pode desejar  para si o que deve entregar para os outros.  
  5. Os diáconos devem ser homens íntegros na teologia e na vida (1Tm 3.9). “…conservando o mistério da fé com  consciência limpa”. O termo “mistério” significa “verdades outrora ocultas, mas agora reveladas por Deus”. O diácono  precisa compreender a doutrina cristã, crer na doutrina cristã e viver a doutrina cristã. Sua vida, sua família e seu  ministério precisam ser pautadas pela Palavra de Deus. 
  6. Os diáconos devem ser homens provados e experimentados (1Tm 3.10). “Também sejam estes  experimentados; e, se mostrarem irrepreensíveis, exerçam o diaconato”. Os candidatos ao diaconato precisam ser  primeiramente experimentados, passando por tempo probatório. O treinamento precede à escolha e à ordenação. Primeiro  a prova, depois o exercício do ministério.  
  7. Os diáconos devem demonstrar fidelidade conjugal e liderança paternal (1Tm 3.12). “O diácono seja marido  de uma só mulher e governe bem seus filhos e a própria casa”. O diácono precisa ser fiel à esposa e ser o líder espiritual de  sua casa. Precisa ensinar seus filhos e educá-los nos caminhos de Deus. Sua vida e sua família são a base do seu ministério  diaconal. 
  8. Os diáconos precisam demonstrar dedicação e zelo ao serviço de Deus (1Tm 3.13). “Pois os que  desempenharem bem o diaconato alcançam para si mesmos justa preeminência e muita intrepidez na fé em Cristo Jesus”.  O diaconato não é uma plataforma de privilégios, mas de serviço. Não é um cargo para se ocupar, mas um ministério para  servir. Aqueles que se esmeram no ministério de servir aos homens em nome de Deus, recebem de Deus a recompensa.  

Rev. Hernandes Dias Lopes 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *