A MENSAGEM DA PÁSCOA

A Páscoa foi inaugurada na saída histórica de Israel da longa e amarga escravidão do Egito. Um cordeiro foi  imolado e seu sangue foi passado no batente das portas de todos os israelitas. Na noite em que todo primogênito  egípcio foi morto, os israelitas foram poupados pelo sangue do cordeiro. A Páscoa judaica apontava para Jesus, o  Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. Jesus é o nosso Cordeiro pascal. No Cenáculo, ele inaugurou o  sacramento da Ceia e firmou a nova aliança em seu sangue.  

Três verdades sublimes nos são apresentadas, como a mensagem da Páscoa: 

  1. Cristo morreu pelos nossos pecados (1Co 15.3). A morte de Cristo não foi um acidente. Ele não morreu  porque sucumbiu ao poder de Roma. Ele não morreu porque Judas o traiu por ganância, nem porque o Sinédrio o  entregou por inveja ao governo romano, nem mesmo porque Pilatos o condenou por covardia. Jesus morreu porque o  Pai o entregou por amor. Ele morreu porque a si mesmo se deu pelo seu povo. Cristo não morreu como um mártir, mas  como nosso Redentor. Ele morreu pelos nossos pecados. Deus lançou sobre ele a iniquidade de todos nós e ele  carregou no seu corpo, sobre o madeiro, os nossos pecados. Ele bebeu sozinho o cálice amargo da ira de Deus. Ele  sofreu o golpe da lei em nosso lugar e satisfez completamente as demandas da justiça divina, quando suportou em  nosso lugar a condenação que nossos pecados merecem. A morte de Cristo foi substitutiva. Ele morreu como nosso  fiador e representante. Ele morreu a nossa morte para nos dar a vida, a vida eterna.  
  2. Cristo ressuscitou para nossa justificação (Rm 4.25). Se a morte de Cristo não foi um acidente, sua  ressurreição não foi uma surpresa. A morte não pode detê-lo. Ao contrário, ele entrou nas entranhas da morte,  arrancou o aguilhão da morte, matou a morte, ao ressurgir vitoriosamente, inaugurando a imortalidade. A ressureição  de Cristo, em relação ao passado foi um fato incontroverso; em relação ao presente é um artigo de fé; e, em relação ao  futuro será uma esperança bendita. Cristo ressuscitou como primícias de todos os que dormem. Porque ele ressurgiu  dos mortos, na sua vinda gloriosa, todos os mortos ouvirão sua voz e sairão dos túmulos; uns para a ressurreição da  vida e outros para a ressurreição do juízo. Agora, não precisamos mais ter medo da morte, pois morrer para o cristão é  deixar o corpo e habitar com o Senhor. Morrer para o crente é partir para estar com Cristo, o que é incomparavelmente  melhor. A morte não tem mais a última palavra. Ela foi tragada pela vitória. Agora os que morrem no Senhor são bem aventurados. A ressurreição de Cristo é a garantia de nossa ressurreição. Quando Jesus voltar, sem sua majestade e  glória, os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro e os que estiverem vivos serão transformados e arrebatados para  encontrar o Senhor nos ares. Teremos um corpo imortal, incorruptível, poderoso, glorioso, espiritual, celestial,  semelhante ao corpo da glória do Senhor Jesus. 
  3. Cristo voltará para nossa glorificação (1Ts 4.15-17). A volta de Jesus é a acrópole da esperança cristã, o  pináculo das doutrinas evangélicas, a apoteose da história da humanidade. Ele virá para consumar a história, julgar as  nações e estabelecer o seu reino de glória. Ele virá para colocar todos os seus inimigos debaixo dos pés e reinar com  sua igreja pelos séculos sem fim. Ele virá pessoalmente, visivelmente, audivelmente, repentinamente,  inesperadamente, inescapavelmente e vitoriosamente para levar sua noiva para a casa do Pai, onde não haverá mais  lágrima, nem pranto nem dor. A Nova Jerusalém, o paraíso, o céu, é o nosso lar, a nossa pátria, a nossa herança. Lá  estaremos para sempre com o Senhor. Lá reinaremos para sempre com ele. Lá contemplaremos sua face e nos  deleitaremos nele pelo desdobrar infindável da eternidade! 

Rev. Hernandes Dias Lopes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *