O ASPECTO TERAPÊUTICO DA COMUNHÃO

O Salmo 133 é um primor de poesia sagrada. Foi escrito por Davi, o mavioso poeta de Israel. Nesse sublime  poema, o escritor destaca o aspecto terapêutico da comunhão fraternal. Vamos destacar, aqui, alguns pontos importantes.

1.Acomunhão entre os irmãos é atraente (Sl 133.1). “Oh! Como é bom e agradável viverem unidos os irmãos!”.  O autor exclama, em êxtase arrebatador, ao contemplar a união entre os irmãos. A união fraternal é boa e, também,  agradável. Faz bem à alma e torna a vida mais leve. A comunhão entre os irmãos não abençoa apenas quem dela desfruta,  mas também, reverbera para além dos muros e abençoa aqueles que de longe a contempla. A igreja de Jerusalém tinha  tudo em comum. Os irmãos se reuniam diariamente no templo e, também, de casa em casa. Perseveravam na comunhão e  no partir do pão. Por isso, contavam com a simpatia de todo o povo. 

  1. A comunhão entre os irmãos é como medicina para os relacionamentos (Sl 133.2). “É como o óleo  precioso…”. O óleo tinha três finalidades nos tempos bíblicos: era cosmético, remédio e símbolo da unção do Espírito  Santo. A união entre os irmãos é como o óleo, que embeleza vida, cura as feridas e traz a bênção do Espírito Santo sobre os  relacionamentos. Onde há união entre os irmãos aí há terapia para a alma, cura para as emoções, ânimo para o  enfrentamento das dificuldades e força para caminhar. Onde há comunhão, aí o Espírito de Deus fortalece os laços e a  caminhada se torna vitoriosa. 
  2. A comunhão entre os irmãos é restauradora (Sl 133.3a). “É como o orvalho…”. O orvalho é um símbolo da  própria presença de Deus entre o seu povo (Os 14.5). Assim como o orvalho cai para restaurar a relva castigada pelo calor  inclemente do sol, sem o alarde dos relâmpagos e trovões, de igual modo, a união entre os irmãos, mesmo de forma  discreta, traz restauração para os relacionamentos. Assim como o orvalho cai às noites, a união se faz presente nos  momentos mais difíceis da caminhada da vida e restaura os relacionamentos nas noites mais escuras da vida. Assim como  o orvalho é frequente, assim também a união deve ser duradoura e jamais claudicar em sua ação em favor uns dos outros.  Assim como o orvalho traz novo frescor a cada manhã, a união entre os irmãos remoça os relacionamentos e traz bênçãos  para toda a família da fé. 
  3. A comunhão entre os irmãos atinge os de perto e os de longe (Sl 133.3a). “… o orvalho do Hermom, que desce  sobre os montes de Sião…”. O Hermom é o monte mais alto de Israel. Fica no extremo norte do país. Seu cume é sempre  coberto de gelo. Os ventos gelados que sopram na cumeeira dessa montanha levam uma brisa refrescante para os montes  de Jerusalém, há mais de cento e cinquenta quilômetros ao sul. A comunhão entre os irmãos é como essa brisa refrescante  que leva vida por onde passa, atingindo pessoas de perto e de longe. A comunhão entre os irmãos é abençoadora e sua  influência reverbera até em lugares distantes.  
  4. A comunhão entre os irmãos abre o caminho para a salvação de Deus (Sl 133.3b). “… ali ordena o Senhor a  sua vida…”. A vida de Deus é a própria realidade de salvação. Onde a vida de Deus está presente, aí há salvação. Uma  igreja onde os irmãos vivem em união, aí há conversões genuínas e abundantes. A comunhão é a base da evangelização.  Aqueles que chegam à uma igreja, nela não permanecem se aí não há relacionamentos saudáveis.  

6.Acomunhão entre os irmãos resulta na bênção divina (Sl 133.3c). “… a sua bênção para sempre”. A bênção de  Deus flui onde há comunhão e não onde há contenda. Uma igreja onde os irmãos vivem em união, a presença de Deus é  real. Ali a bênção de Deus é notória. É nesse lugar que Deus ordena a sua bênção. É nessa geografia que Deus ordena a sua  bênção e é através dessa igreja que a bênção divina flui e impacta o mundo.  

Rev. Hernandes Dias Lopes 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *