VAMOS CUIDAR DAS NOSSAS CRIANÇAS

As crianças brasileiras estão sendo atacadas, com rigor desmesurado, sob a omissão de muitos, o silêncio de  outros e o prejuízo de todos. Se não bastasse a tolerância com a ditadura do relativismo, estamos assistindo, estarrecidos,  uma gritante inversão de valores em nossa sociedade. Usar crianças para promover a causa da ideologia de gênero é o fim  da picada. Introduzir, precocemente, nossas crianças à uma sexualidade contrária à natureza é confundir a cabeça delas,  solapar os alicerces da família e perverter a fé cristã. Muito embora tenha existido um silêncio sepulcral das autoridades  competentes para dar um basta nessa afronta, muitos setores da sociedade ergueram sua voz de protesto contra esse  descalabro. 

Recorro à Palavra de Deus para conclamar as famílias cristãs a uma tomada de posição em relação aos nossos  filhos. Valho-me do Salmo 78.1-8. Este texto enseja-nos três importantes lições. Vejamos: 

  1. Os pais não podem sonegar aos seus filhos o legado espiritual que receberam (Sl 78.1-4). Felizes são os pais  que beberam o leite da piedade desde a infância. Felizes são aqueles que aprenderam as sagradas letras desde os  primórdios de sua vida e foram instruídos na verdade. Esse legado é melhor do que riquezas. Os pais que foram instruídos  no passado, não podem sonegar nem encobrir aos seus filhos o que ouviram e viram de seus pais. Estamos numa corrida  de revezamento. Se falharmos em passar o bastão da verdade para nossos filhos, o mundo vai ocupar esse espaço para  confundir a mente deles. O papel da educação moral e espiritual dos filhos pertence aos pais e não ao Estado nem mesmo  às escolas. Cabe aos pais, sobretudo, aos pais cristãos, lutar pelos seus filhos e transmitir a eles a verdade do Evangelho e  os valores do reino de Deus. 
  2. Os pais precisam contar à vindoura geração as excelências dos atributos de Deus bem como suas grandes  obras (Sl 78.4). Os pais são os mais importantes mestres de seus filhos. Cabe a eles esse sacrossanto ministério de  informar e formar seus filhos. Sonegar a verdade aos filhos ou entregá-los à cultura decadente, para que sejam  doutrinados pela cartilha da inversão de valores, é decretar a falência da família, a decadência da igreja e a ruína da nação.  Os grandes impérios do passado foram destruídos não por forças externas, mas pela imoralidade interna. Os historiadores  dizem que o império romano só caiu nas mãos dos bárbaros porque já estava podre por dentro. É hora de os pais tomarem  posição. Chegou a hora de assumirem seu papel de sacerdotes do lar. É tempo de ocuparem a posição firme do corajoso  comandante Josué, que disse: “Se vos parece mal servir ao SENHOR, escolhei, hoje, a quem sirvais: se aos deuses a quem  serviram vossos pais que estavam dalém do Eufrates ou aos deuses dos amorreus em cuja terra habitais. Eu e a minha casa  serviremos ao SENHOR” (Js 24.15). 
  3. Os pais não devem descansar até ver seus filhos comprometidos com a Palavra de Deus (Sl 78.5-8). Deus  estabeleceu um testemunho e instituiu uma lei e ordenou aos nossos pais que os transmitissem a seus filhos. Esses  preceitos da Palavra de Deus precisam ser passados para a nova geração, para que esta conheça a verdade e a transmita  também a seus filhos. Não podemos interromper esse discipulado. Não podemos falhar nesse processo. Cada geração  precisa conhecer a Deus e a sua Palavra. Basta uma geração desatenta e o mundo, com seus ardis, ocupará esse espaço  para arruinar seus valores e perverter sua vida. Resta claro afirmar, porém, que os pais não podem ensinar apenas pelo  preceito, mas também, e sobretudo, pelo exemplo. Antes dos pais inculcarem a verdade nos filhos, essa verdade precisa  estar acesa em seu coração. Os pais devem ensinar os filhos não o caminho que eles querem andar, nem mesmo o caminho  que eles devem andar. Os pais devem ensinar no caminho, sendo exemplo para eles. Filhos bem instruídos e fortalecidos  pelo exemplo dos pais colocarão em Deus a sua confiança e não serão massa de manobra deste mundo que está posto no  maligno. 

Rev. Hernandes Dias Lopes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *