O PODER ATRAVÉS DA ORAÇÃO

A oração não é poderosa. Poderoso é o Deus que responde as orações. Deus, sendo soberano e onipotente,  resolveu agir mediante as orações do seu povo. Quando oramos, unimos a fraqueza humana à onipotência divina; ligamos  o altar da terra ao trono do céu. Tiago, irmão do Senhor, compreendeu essa verdade, quando disse: “Muito pode, por sua  eficácia, a súplica do justo” (Tg 5.16). E exemplificou sua ousada afirmação, citando Elias, um homem semelhante a nós,  sujeito aos mesmos sentimentos, que orou, com instância, para que não chovesse sobre a terra, e, por três anos e seis  meses, não choveu. E orou, de novo, e o céu deu chuva, e a terra fez germinar seus frutos (Tg 5.17,18). Olhando para vida  de Elias, destacamos quatro verdades preciosas sobre o poder através da oração. 

  1. Deus traz juízo sobre os ímpios em resposta à oração do justo. Elias, o tesbita, dos moradores de Gileade,  apareceu a Acabe, aquele perverso rei de Israel e lhe disse que, segundo a sua palavra, não haveria chuva nem orvalho nos  próximos três anos e meio. Essa palavra de juízo veio em decorrência de Israel ter abandonado o Senhor para prostrar-se  diante de Baal, um deus pagão, conhecido como o padroeiro da prosperidade. Os israelitas atribuíam os frutos de sua  lavoura e as crias de suas ovelhas à Baal. Então, Deus fechou as comportas do céu, em resposta à oração de Elias. As  chuvas periódicas foram retidas e o orvalho diário não caiu; e assim, a seca severa foi um golpe mortal naquele deus  pagão. As orações de Elias acionaram o braço onipotente de Deus, trazendo juízo ao rei e ao povo. Quando o justo ora,  Deus age! 
  2. Deus traz vida onde a morte produziu sofrimento em resposta à oração do justo. Depois que Elias entregou a  palavra do juízo a Acabe, ficou escondido em Querite, por ordem de Deus. Ali, o Senhor alimentou-o até que a torrente da  qual bebia secou-se. Então, Deus o ordena ir a Sarepta, onde havia uma mulher viúva que lhe sustentaria. Elias, em  obediência a Deus vai e a mulher que deveria sustentá-lo estava prestes a morrer de fome. Aviúva de Sarepta conheceu a  Deus na cozinha. Por intervenção divina, a farinha foi multiplicada em sua panela e o azeite em sua botija. Depois, desse  insólito milagre, porém, o filho único da viúva morre, e ela coloca a culpa dessa tragédia em Elias. O tesbita não se  defende, mas leva o corpo inerte do menino para o quarto, fecha a porta e, ali, abre a boca e fala muito. Fala com Deus em  oração. Elias pede para Deus um milagre inédito. Deus responde sua oração e a morte solta suas garras do menino e ele  ressuscita. Deus trouxe de volta a vida onde a morte havia produzido sofrimento atroz.  
  3. Deus traz plena demonstração de seu poder incomparável em resposta à oração do justo. Deus ordena Elias a  comparecer diante de Acabe, num tempo que esse ímpio monarca caçava o profeta vivo ou morto em Israel e nas nações  vizinhas. Elias obedece prontamente a ordem divina e parte para encontrar e confrontar o rei de Israel. Elias confronta o  rei, o povo e os profetas de Baal. Chama-os para um desafio inédito. Um altar seria levantado. Uma oferta seria colocada  sobre o altar. Eles deveriam invocar Baal e ele, Elias, invocaria a Deus. Quem respondesse com fogo, esse seria o Deus  verdadeiro. A nação se reúne no Carmelo para esse duelo. Os profetas de Baal clamaram em vão. Gritaram e até se  retalharam com facas, mas Baal não os ouviu nem lhes respondeu. Depois de escarnecer deles, Elias clamou ao Senhor e o  fogo desceu e consumiu a oferta que estava sobre o altar. Deus demonstrou no monte Carmelo o seu poder, e o povo de  Israel gritou: “Só o Senhor é Deus, só o Senhor é Deus”. 
  4. Deus traz restauração para a nação em resposta à oração do justo. Depois de retumbante vitória no Carmelo,  removendo Baal do caminho das torrentes do céu, Elias sobe para o cume do Carmelo e ali trava uma batalha com Deus,  uma batalha de oração. Ele ora de forma humilde e perseverante. Ele pede a Deus as chuvas restauradoras. Deus ouviu o  seu clamor e as torrentes desceram e a terra fez germinar os seus frutos. O Deus de Elias é o nosso Deus. Ele faz  maravilhas em resposta à oração do justo. 

Rev. Hernandes Dias Lopes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *