A ETERNIDADE DE DEUS E A TRANSITORIEDADE DO HOMEM

O Salmo 90 abre o quarto livro do Saltério. Foi escrito por Moisés, profeta de Deus. Este Salmo, de forma  magistral, revela-nos a eternidade de Deus e a transitoriedade do homem. Cinco verdades emanam deste Salmo: 1. A eternidade de Deus (90.1-4). Moisés diz que Deus foi, é, e será nosso refúgio. Ele tem sido refúgio do seu  povo de geração em geração. Os homens surgem, vivem, morrem e passam, mas Deus continua sendo refúgio para  aquela, para esta e para as futuras gerações. Ele é o mesmo no passado, no presente e no futuro. Deus preexiste à criação  do universo. Antes que os montes nascessem e se formassem a terra e o mundo, de eternidade a eternidade ele é Deus. A vida dos homens está em suas mãos, pois ele é quem a todos dá a vida e tira a vida. Como Deus é eterno, para ele mil anos é  como o dia que se foi e como a vigília da noite. 

  1. A mortalidade do homem (90.5,6). Se Deus é eterno, o homem é vulnerável e mortal. O homem é totalmente  dependente de Deus. O Senhor o leva como um frágil objeto arrastado numa torrente. Seus dias são breves como um sono.  Seu vigor é passageiro como uma flor que de madrugada viceja e floresce, mas à tarde murcha e seca.  
  2. Pecaminosidade do homem (90.7,8). O homem não é apenas vulnerável e mortal; é, também, pecador. Porque  o pecado é maligníssimo e uma afronta a Deus, o homem é consumido e perturbado pela ira de Deus. As iniquidades dos  homens são expostas diante de Deus e até seus pecados ocultos são manifestos aos seus olhos.  
  3. A transitoriedade do homem (90.9-12). Os dias do homem são turbulentos e seus anos acabam-se como um  breve pensamento. A velhice chega rápido e nesses anos chegam também a canseira e o enfado. Nem bem o homem pousa  seus pés na terra e já voa para a eternidade. Nesses corredios dias de sua vida, o homem peca contra Deus e suscita a sua  ira. Por isso, carece de sabedoria para contar os seus dias e alcançar um coração sábio.  
  4. A súplica do homem (90.13-17). Moisés, cônscio de sua mortalidade, pecaminosidade e transitoriedade clama  pela misericórdia divina. Sente necessidade de ser saciado a cada manhã com a benignidade de Deus, a fim de cantar de  júbilo ao Senhor e alegrar-se durante seus breves dias sobre a terra. O poeta roga a Deus para alegrá-lo na mesma  proporção e pelo mesmo tempo que foi afligido por ele. Anseia pela alegria na mesma medida que suportou a  adversidade. Clama, ainda, que as obras de Deus apareçam a seus servos e a glória de Deus apareça aos seus filhos. Anseia  ardentemente pela manifestação da graça de Deus. Suplica a Deus para confirmar as obras de suas mãos. Moisés está  convencido acerca da onipotência de Deus contrastada com a fragilidade humana; da eternidade de Deus contrastada com  a transitoriedade humana. Moisés inicia o Salmo com uma declaração e o conclui com uma súplica. Só o Deus que tem  sido refúgio de geração em geração pode valer-nos e atender nosso clamor. Nele está a nossa esperança. Ele é o nosso  refúgio desde agora e para sempre. 

Rev. Hernandes Dias Lopes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.